Home care cresce e se reinventa em um Brasil que envelhece

Envelhecimento da população e pandemia da Covid-19 impulsionam crescimento de empresas de atendimento domiciliar e de transição de cuidados

situação da idade de uma população. Mais perto da base são representados os mais jovens e do pico, os mais velhos. Quando a base é maior e vai afinando gradualmente até o topo, isso indica que a maioria daquela população é formada por crianças, adolescentes e jovens. No Brasil, esse gráfico tradicionalmente tinha um formato triangular, mas nos últimos anos isso tem mudado rapidamente. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a base da pirâmide diminuiu e o topo cresceu, uma tendência cada vez mais forte do envelhecimento da população.

Entre os motores desse processo está o desenvolvimento da ciência e da medicina, que nos permite viver mais – nem sempre melhor – e, também, aspectos “comportamentais”, como a decisão das mulheres de privilegiar os estudos e a carreira, engravidando mais tarde, e de famílias que optam por ter apenas um filho ou nenhum. O envelhecimento da população, aliada à pandemia da Covid-19, tem contribuído para o crescimento das empresas prestadoras de serviços de atendimento domiciliar ou home care.

home care não se restringe aos pacientes da faixa etária mais avançada, ele abraça todos os serviços prestados na casa de pacientes de qualquer idade, que vão desde consulta médica, atendimento semanal de um fisioterapeuta até um paciente que necessita de uma estrutura mais complexa e contínua de cuidados. “Com o envelhecimento da população, tornaram-se mais comuns as ocorrências de doenças degenerativas, como demência e Parkinson, sobreviventes de AVC que ficam com sequelas e necessitam de reabilitação, ou portadores de doenças crônicas, que precisam de acompanhamento mais de perto. Esse perfil de paciente cria demanda e contribui para o crescimento do atendimento domiciliar”, analisa o médico geriatra Leonardo Salgado, presidente do Núcleo Nacional das Empresas de Serviços de Atenção Domiciliar (Nead).

Leia na íntegra

0 comentários em “Home care cresce e se reinventa em um Brasil que envelhece”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *