Manejo do Paciente com Suspeita de Infecção por 2019-nCOV

Vivemos um momento bastante delicado em todo mundo e, assim como outras entidades representativas, apoiamos o trabalho do Ministério da Saúde do Brasil no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (COVID-19), através de atualizações constantes e, principalmente, do desenvolvimento de protocolos e diretrizes voltados aos profissionais de saúde e da integração entre os setores público e privado.

A escassez de insumos é uma realidade e as empresas de Atenção Domiciliar devem ser muito criteriosas nas indicações, preservando sempre as necessidades técnicas, visando a segurança do paciente paralelamente à sustentabilidade do setor. Ou seja, os profissionais devem ser orientados a reafirmar que existem critérios técnicos para tais indicações, lembrando que o uso de forma errada, além de não proteger, agrava a escassez.

Sugerimos que cada empresa tenha um grupo de profissionais para atuação com foco no cenário atual e que o mesmo – baseado em informações de fontes seguras, como o MS – prepare um plano de contingência, inclusive considerando a possibilidade de paralisação do transporte público (que já é real), além de abordar o uso racional de EPIs e manejo do estresse e ansiedade de pacientes/cuidadores/familiares.

Reiteramos que o pânico é maléfico, assim como o uso indiscriminado de recursos e a propagação de informações de fontes duvidosas e fake News.

Profissionais de saúde devem ser bem preparados e orientados para seguir as recomendações do Ministério da Saúde. No caso da Atenção Domiciliar, além das medidas de precaução padrão, vale destacar algumas medidas de prevenção e promoção à saúde para os domicílios, elencadas pela Prefeitura Municipal de São Paulo e Secretaria Municipal da Saúde

  • Lembrar as famílias sobre a limpeza e desinfecção de objetos tocados frequentemente, assim como os cuidados com as camas, lençóis, fronhas e fraldas;
  • Orientar para que os cômodos estejam arejados e ventilados e, sempre que possível, manter as janelas abertas;
  • Informar sobre o uso de utensílios domésticos individuais e devidamente higienizados, como copos, xícaras e outros;
  • Recomendar o uso de máscara cirúrgica descartável apenas para pacientes que apresentarem sintomas respiratórios;
  • Orientar cuidadores e pacientes a permanecerem em isolamento domiciliar quando estiverem doentes ou tiverem contatos com doentes;
  • Durante as visitas domiciliares, orientar pacientes, familiares e cuidadores de forma a evitar a procura desnecessária por unidades de saúde e hospitais.

Importante ressaltar que as autoridades sanitárias de seu estado devem ser comunicadas sobre suspeita(s) de caso(s) de infecção humano pelo novo coronavírus. A Ficha de Notificação esta disponível em http://bit.ly/notificaCOVID19

Confira o material produzido pelo NEAD e SINESAD para o setor de Atenção Domiciliar à Saúde, com recomendações para todos os pacientes, independente do diagnóstico, devido à atual situação epidemiológica do COVID-19, clicando aqui

DEVIDO ÀS CONSTANTES ATUALIZAÇÕES DA OMS E MINISTÉRIO DA SAÚDE, TODAS AS RECOMENDAÇÕES E ORIENTAÇÕES REFERENTES À PANDEMIA DISPONIBILIZADAS NESTE SITE DEVEM SER CONFIRMADAS NO MOMENTO DE SEU ACESSO, NOS ÓRGÃOS OFICIAIS!

Compartilhe:Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

0 comentários em “Manejo do Paciente com Suspeita de Infecção por 2019-nCOV”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *